A razão e o Amor, ou é o amor racional

A razão, não pode ser ela, a causa para qualquer desumanidade ou maldade. Por mais que a falaciosa interpretação de que o coração seja mais humano que a razão, é exatamente a razão e a racionalidade quem pode exercer o papel de mediador consciente de nosso existir.

Agir, pensar ou realizar descolado da razão, é um passo para o fanatismo e para a adoração. Mesmo o amor sem racionalidade pode ser tudo, pode até ser paixão, mas jamais será verdadeiramente amor. Quem ama o que desconhece ou quem ama sem uma racionalidade está a um passo da obstinação e da posse.

A razão em nada desmerece ou menospreza o amor. A razão pelo contrário enobrece, valoriza e dá corpo humano e social ao amor. A verdadeira racionalidade é parceira real do verdadeiro amor e da consciência humana. Preferir crer que somos capazes de amar independente de uma crítica racional é o mesmo que acreditar em revelações e em mistérios sem entender a natural extensão destas crenças ou o sentido maior do que seja levar uma vida social, é assim um mergulho no vale sombrio do fanatismo e da irracionalidade. É abrir mão de uma característica tão humana, qual seja a capacidade de racionalizar. Amar sem razão é um risco desnecessário, amar com razão dá um brilho especial a este amor, aliás amar com razão é a única forma que entendo de verdadeiramente amar.

Se você realmente acredita que a razão pode atrapalhar o verdadeiro amor, significa para mim, que você ainda não entendeu que amar não é divino ou cego, que o amor é construído e reformado continuamente, que o amor é a cola mental que deve ser fermentada com muita vontade, trabalho, dedicação, racionalidade e perseverança, e por mais tentador e gostoso que possa ser uma paixão, é o Amor quem dignifica o humano e o social. A razão é a rede que perpassa toda a vida mental na solidificação deste amor.

Se você prefere amar descolado da razão, ótimo para você, eu preferirei sempre amar aderente a racionalidade crítica e lógica, tendo a vida como meta e o humano como alvo a dignificar.

Entre a razão e o amor, eu fico com os dois, amar sem razão leva a loucura, a posse e ao fanatismo e razão sem amor pode levar ao despotismo humano. Desta forma entendo que o amor e a razão devem andar juntos a razão deve ser humanizada pelo amor e o amor deve ser conscientizado, dirigido e construído pela razão.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão