A tormenta é minha companheira

A tormenta é minha companheira, vivo, muitas vezes, como se a boca tivesse vida própria. Vivo assim assustado com o que desconheço que sou, ou talvez com o que tento esconder de mim mesmo que seja. Vivo sendo o que sou, é obvio, mas nunca sei exatamente o que e nem o quem sou.
A consciência parece atônita cada vez que se percebe sem reação direta frente a ações irresponsáveis que eu tomo. Como ser o que não sei? Como posso não saber o que sou? Pode ser que parte consciente de mim saiba alguns lados sujos e perversos do ser que sou e varra-os para baixo do tapete da consciência, como se bastasse isto para não ser aquele hipócrita ser que busquei esconder. O pior de tudo é que me é impossível saber tudo que sou, a consciência é uma mínima parte do processo mental que nos é comum, na verdade entendo-a como uma simples interface de entrada e saída daqueles processos zumbis, escondidos, totalmente transparentes a nós, que neste mundo, reflexo desta emergência mental, forma na verdade o ser que sou. Nem mesmo o livre arbítrio, como vulgarmente o pensamos deve existe, o que conscientemente pensei, decidi, planejei ou racionalizei, já foi deliberado nos bastidores do submundo mental que nos é real. Pode parecer chocante para muitos, em especial para os mais humildes e dedicados amantes da fé religiosa. Retirar deles o domínio e o controle sobre o livre arbítrio, é retirar a fórceps muito de sua estrutura mental da fé. A esperança, o livre arbítrio, a fé na oração, e a certeza de um depois desta vida, são talvez, posso errar pois sou ateu, o alicerce básico de muita da crença místico-religiosa de nossos irmãos, e uma a uma, retira-las, é como despir-lhes o corpo, retirando a própria pele e deixando a carne viva para a dor da realidade. Pode parecer insensibilidade, mas insensibilidade maior é deixar a ignorância e a ingenuidade como portas de entradas para os interesses de outros. Há de ser feito, a dor se vai com a luz do conhecimento.


Não sou o que realmente penso que sou, o livre arbítrio pode sequer existir, a esperança é para mim um atalho para o sofrimento, o depois daqui e do agora pode não existir, porque me empenhar nestas coisas, ou investir recursos no que sequer posso afirmar que existe. De todas aquelas, apenas a oração pode realmente ter valor de atitude, mas apenas de atitude, não para conseguir algo fora de nós mesmos, mas apenas no tocante a nossa existência, a oração pode ter uma reação positiva, principalmente nos dando inconscientemente mais força, coragem, paz e equilibrando reações bioquímicas de nossos corpos. Mas isto não decorre de nenhum efeito místico transcendental. É um pouco como o efeito placebo, já testado, que a crença de estar medicado e por um bom médico, nos faz recuperar mais fácil de nossos distúrbios físicos e mentais.

Agora viver com a confusão mental de que sendo, não saberei exatamente quem sou, que mesmo que busque ser, pode ser que não seja o que realmente queira ser, e mesmo que sabendo o que deveria ser, pode ser que não seja o que a sociedade de mim espere ser, mas tenho que ser, tenho que viver. Que bom, para aqueles afortunados que conseguem convergir parte do que são, com parte do que deveriam ser, com parte do que desejam ser, com parte do que a sociedade deles espera que sejam. Estes são o mais próximo da felicidade que posso imaginar...

Retornando, a maldade me é latente, não por ser mal meramente, mas por que sou eu aquele que desconhece quem é em essência, e mesmo que a esconda de mim e que tente esconder dos outros, a língua é feroz, mas luto por ser diferente, agora tenho a imagem de que não por escolha meramente consciente, mas porque os que invisível sou, assim o deliberam. Mas isto em nada diminui minha responsabilidade pelo que faço ou deixe de fazer, pois que em essência fui eu quem o fez ou o deixou de fazer. Que peso, não ter total domínio sobre mim, estar na dependência daqueles que desconheço... Mas isto é viver, isto é necessário, isto é existir... Ou pelo menos é assim que leio a realidade do mundo e a realidade do que seja viver, ou melhor é assim que hoje leio, pois que sou um eterno aprendiz, e um eteno mutante mental, pode ser que amanhã tenha leitura diferente, ou pode ser que ainda hoje tenha uma leitura ainda mais radical e profunda desta mesma realidade... Este sou eu, um animal em corpo humano, e um desconhecido em essência para mim mesmo... Este sou eu, não a imagem e semelhança de nada ou de ninguém fora ou acima de mim, mas apenas e tão somente a imagem e semelhança do que minha mente, consciente ou inconsciente faz de mim. Estes somos nós, que da imanência de nosso circuito neural, emerge de sua complexidade nossos seres mentais, que se parecem soltos, que se parecem flutuar acima de nós, isto é mera impressão, pois que o pensamento é o resultado real do processamento “bio-neural”, de nosso não menos material, cérebro. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O sábio é um egoísta que deu certo

Nem sempre o verdadeiro há de ser real

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros