Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2014

Valor

Imagem
A consciência de qualquer ato ou fato, por mais absoluta que possa parecer, não é suficiente para dar valor a este fato ou ato, somente o desejo, a repulsa ou a interpretação subjetiva deste ato ou fato, é que podem dar valor a eles.

Cada um tem a vida que merece?

Imagem
Não concordo que cada um tenha a vida que merece.
Para mim isto não é verdade. Seria muito bom que assim o fosse, mas infelizmente não é esta leitura que faço do mundo.

Verdade e ética

Imagem
Infelizmente para nós, a verdade e a moral não andam necessariamente lado a lado, e nem existe razão natural para que assim o fosse. Em verdade, a moral e a verdade, diversas vezes estão em hemisférios opostos. Muitas vezes a verdade nos parece imoral, e outras vezes a moral não reflete a verdade.

GENE Xq28

Imagem
GENE Xq28 e o direito a opção sexual, um de vários, vários que nos fazem um.

Gostaria de comentar que nós somos compostos por cerca de 30.000 genes, nem todos estão ativos o tempo todo em todos os tecidos corporais, alguns são ativados no útero, outros enquanto jovens, outros quando adultos e outros o tempo todo; alguns são ativados em umas células, outros são ativados em outras células...

*** VALOR E VERDADE ***

Imagem
Valor e Verdade
Alguns de nós, incluindo eu até alguns anos atrás, confundimos um pouco Valores com Verdades. Valor: É a importância que damos a determinadas coisas, ações ou pensamentos.

Sinceridade X Verdade

Imagem
O texto a seguir é um pequeno comentário do que entendo por sinceridade e por verdade.

Que falta faz

Imagem
Que falta faz não fazer falta a falta de humanidade.

PRECONCEITO

Imagem
PRECONCEITO PRECONCEITO - PRÉ + conceito
Uma palavra simples e direta, mas de uma ação bastante ativa na sociedade, não obstante o volume e a disponibilização de informações ser cada vez maior.

Verdade

Imagem
Não há conhecimento que crie do nada alguma verdade, e nem desconhecimento ou ignorância, por mais profunda que seja, que desfaça ou desfoque uma verdade, de si mesma. 

A verdade

Imagem
A verdade Não é o que penso Não é o que desejo Nem é o que os outros desejam Não é sequer o que deveria ser Ela é o que ela é, a verdade.

Liberdade

Imagem
Certo ou errado, eu entendo que uma pessoa, qualquer pessoa, somente pode se sentir livre no momento em que todas as demais também possam se achar livres, se sentirem livres. Assim, minha liberdade deveria ser autonomamente regulada, limitada, e demarcada pela liberdade dos outros, de tal forma social onde todos fossemos então livres, libertos em nossa demarcação, que é ela mesma demarcada por cada um, em uma relação social com todos os demais, perfazendo um só corpo social.

Em pleno desencontro, me procuro

Imagem
Perdido em pleno tumulto de seres, sou um, cada hora um, no caos dos que me compõem. Em pleno desencontro de almas, me procuro em uma louca jornada pelo improvável, pois quando creio me encontrar comigo mesmo, já sou outro, já não sei de novo quem sou.

Moral e consciência

Imagem
Uma vez que a moral não é absoluta, não a encontraremos completa, plena ou finalizada dentro de nós, nem em livro ou revelação alguma. Entendo, e algumas pesquisas tem apontado para isto, que a “programação” básica de nosso circuito cerebral, geneticamente propõe alguns critérios básicos de moral e bem estar, mas no todo, ela é composta de coerência lógica, e racionalidade crítica para dar sustentação a uma vida coletiva digna para todos, e socialmente equilibrada.

Civilizações espaciais, povos intergalácticos

Imagem
Civilizações espaciais, povos intergalácticos

Pessoalmente, sempre acreditei na existência de vida, de qualquer nível, mesmo algumas que sequer conseguimos imaginar sua estrutura, fora de nosso amado planeta. Mesmo defendendo a ideia da existência de vida em diversos outros planetas, e quem sabe até fora de planetas, sempre duvidei abertamente de que algum ser Extraterrestre tenha nos visitado.

Nunca afirmei que não tenham sido avistados OVNIs, porém o que eu defendo é que eles sejam artefatos terrestre, objetos voadores não identificados, mas de origem terrestre. Desta forma eu sempre mantive uma posição pela total descrença na existência de Extraterrestres em nosso planeta, e assim nunca acreditei nas histórias de abdução, com ou sem experiências físicas, biológicas e/ou reprodutivas.

Eu não preciso tornar-me menos animal, necessito tornar-me sim, mais humano.

Imagem
Eu não preciso me tornar menos animal, pois que, para tudo, sou e sempre serei um animal. Somente como animal, como um ser biológico, como um ser animal vivo, posso dar vazão a tudo que a biologia me possibilita, e dentre este tudo, com alguma racionalidade posso dar início a caminhada construtiva pelo humano. Então, se não me importa ser menos animal, o que me importa? Importa-me ser mais humano.

Valores e Verdades

Imagem
Valores não precisam ser verdades, e nem são objetivos. Verdades, por si só, independem de valores. Verdades são fatos objetivos, e dependem de conhecimento para tornarem-se visíveis. Valores são relativos, mas não absolutamente relativos quando se referindo a algo ético ou moral. Longe do niilismo onde tudo pode, ou da sofistica onde tudo pode ser falso. Valor é disjunto da verdade, mas de verdade, valores existem no subjetivo de cada um de nós, e não sendo absolutos como a verdade, absolutamente são verdadeiros na concepção mental que deles fazemos, em seu escopo algo relativo. Os valores que de alguma forma apontem para a dignidade humana, que fogem da pura e mera opinião pessoal do tipo gosto ou não gosto, é bonito ou feio, não são absolutamente relativos, mesmo o sendo em parte. Entendo que existem conjuntos de valores que são desumanos e assim não éticos, mas fugindo deste domínio, os demais valores, mesmo que envolvam a dignidade humana, são relativos.

Piscina negra

Imagem
Piscina negra
Da vergonha do que somos
Da pobreza que criamos
Do abandono social que alimentamos

Filhos

Imagem
Filhos, crianças ou jovens, mesmo os adultos, são filhos do mundo, cabendo aos pais ou responsáveis apenas prepará-los para a vida, para a realidade do viver, e não para a nossa vida ou para a realidade do nosso viver, e muito menos prepará-los para a vida que creiamos ser a real, ou a que creiamos ser a ideal ou a melhor, pois que a vida real já é a própria realidade. Desta forma, e tendo em mente que nossa função enquanto pais, responsáveis, ou mesmo enquanto sociedade, é desenvolver nas crianças o que é das crianças, nos jovens o que é dos jovens, e nos adultos apenas e tão somente a dignidade humana, pois que todo o resto derivará deste conceito de dignidade.

Eu não tenho que ensinar aos meus filhos, ou a quaisquer crianças ou jovens, minhas crenças ou minhas descrenças, devo ensinar-lhes a pensar livre, corajosa e profundamente, devo instigá-los a serem críticos, a buscarem racionalizar, sempre que possível, sem limites, sem medos, sem tabus ou preconceitos, a terem algum ceticism…

Conjunto do viver

Um dia ímpar, uma noite par,  uma semana prima, um mês múltiplo,  um ano natural,  um período inteiro,  uma vida às vezes racional e outras irracional,  uma existência real,  em uma sociedade que às vezes parece imaginária,  e em uma realidade existencial complexa. 

Simone de Beauvoir - Como não respeitá-la - 106 anos

“ É horrível assistir à agonia de uma esperança. ”  ―Simone de Beauvoir 
Frase perfeita, não simplesmente pela sua forma simples e direta, mas principalmente pela força e pelo poder de falar muito, em poucas palavras, e de nos provocar a uma reflexão. A desesperança sim, o desespero nunca. A esperança é aquilo que o sistema, o poder, o estado, a fraqueza ou nós mesmos nos impomos, muitas vezes por catequeses, apenas para nos domesticar, nos fazer mais dóceis e sonhadores, apenas para nos dar falsa sensação de que o amanhã, o porvir, nos reservará melhores dias, nos reservará mais felicidades. A esperança, num primeiro momento é ilusoriamente tranquilizadora, mas com o passar do tempo é origem natural de sofrimento ou de alienação.

Sensação e Percepção

Imagem
É bastante difícil, se levarmos em consideração um enfoque filosófico mais profundo, obter uma única e simples interpretação epistêmica sobre estes termos. Grandes pensadores têm dificuldade em obter consenso a cerca desta simples, mas criativa análise. Eles acabam obtendo mais de uma definição direta sobre estes termos, conforme o tempo histórico e conforme a sua linha específica de pensamento filosófico, em especial no que tange a definição de sensação. Como no fundo sou materialista tentando ser realista e racionalista crítico, com toques naturalistas e analíticos, e algumas pinceladas céticas, vou me ater a uma visão muito mais ligada à neurociência do que as vastas interpretações filosóficas possíveis.

É muito comum, nos referirmos aos conhecidos e tradicionais cinco sentidos, visão, tato, audição, paladar e olfato, como os nossos únicos cinco sentidos, entretanto apesar destes sentidos serem habitualmente definidos como básicos, ou primários, nenhum deles é por si só totalmente i…

Filosofar não é aprender a morrer

Uns acham que filosofar é aprender a morrer, eu não acho, e entendo mais ainda que não faz sentido esta linha da racionalização. Eu não quero e não preciso aprender a morrer, já escrevi sobre isto no texto “Aprender a morrer”, ela virá, ela é minha companheira, única que além de mim mesmo me acompanha e me acompanhou por todo o sempre de minha existência.

Bicho não é brinquedo

“Bicho não é brinquedo:  Sente dor, fome e tem medo.” Assinado por Glaucia Leal, este é o título do editorial de uma renomada revista mensal que coleciono. Como amante do estudo amador da mente e de sua total relação com o circuito neuronal que lhe serve de base biológica e de meio de processamento “elétrico e bioquímico”, do qual emerge, de sua complexidade de processamento, a mente, em todas as suas facetas, inconsciente, pré-consciente e consciente. Tenho um carinho especial pela busca de respostas mais precisas sobre “a mente” nos animais, excetuando-se destes os animais humanos, pois que nestes eu posso por experiência própria discorrer sobre pelo menos a parte consciente de nossa inteligência, posto que animal humano eu sou.

Como posso dar o que não tenho?

Como posso dar o que não tenho? Só mesmo brincando do que não sou.

Sons de nós mesmos

Sons de nós mesmos são meros grunhidos frente a sinfonia que poderíamos social e coletivamente produzir.

Tive filhos

Tive filhos Não para salvaguardar o meu futuro Mas sim para dar vida ao meu presente

O segredo do AMOR

O segredo do AMOR, é que não existem segredos no Amor, existe tão somente desejo, vontade e construção, com algumas desconstruções.

Amar nossos filhos é fácil

Amar nossos filhos é fácil.
Amar os filhos limpos, bonitos e educados de nossos amigos também.

Panspermia Eram as bactérias astronautas, e os vírus cosmonautas

Imagem
Panspermia – Eram as bactérias astronautas, e os vírus cosmonautas?

“A panspermia é uma hipótese segundo a qual as sementes de vida são prevalentes em todo o Universo e que a vida na Terra começou quando uma dessas sementes aqui chegou. Essa ideia tem origem nos pensamentos de Anaxágoras, mas a sua versão mais moderna foi proposta por Hermann von Helmholtz em 1879. Atualmente, dois cientistas têm defendido esta posição, são eles: Fred Hoyle e Chandra Wickramasinghe. A panspermia tanto pode ser interestelar como interplanetária. Não existe ainda nenhuma evidência forte quer para contestar essa teoria, quer para a suportar. ” 
O que cabe asseverar é que a vida como um todo evoluiu aqui mesmo em nossa nem sempre amada Terra, mas quanto ao seu início efetivo, aos primeiros replicadores como acabam sendo chamados, não existe uma firme certeza de sua origem, podendo assim estes primeiros replicadores terem achegado aqui, do espaço, ou se não os primeiros replicadores em si, pelo menos algumas…

A ética

Se a ética é uma espécie de teoria do bem e do mal, e eu acrescento que não para nós mesmos, mas sim pela busca da alegria dos homens, de todos nós, de todos eles, desta forma copiarei André Comte-Sponville: “Cabe-nos apenas encontrar valores, tais que, eu possa pelo menos cogitar, por eles morrer, ou não falar sobre tortura alguma”, e gostaria de acrescentar que cabe encontrarmos valores humanos e sociais pelos quais não tenhamos medo e nem vergonha de nos expormos pela transformação social.

Como posso me sentir humano

Como posso me sentir humano, se não tenho a coragem de me expor total e abertamente pelos excluídos, pelos abandonados ao azar da vida, ou pelos que são tratados como refugo humano de nossa sociedade?

Alguém que sabe

Alguém que sabe que é um nada frente ao todo do universo, e que se acha um quase nada frente ao quase todo do social, já é muita coisa frente ao nada que muitos são.

Ser mais um

Ser mais um, no meio da multidão, é ser apenas mais um, sem ser, realmente, em verdade, absolutamente, um único e qualquer um a mais, é ser sempre mais um, sendo parte dos muitos, sendo quase nada a mais que APENAS mais um.

Imaginar um deus

Imaginar que um deus, qualquer deus, que por definição para ser deus (por nossa mesma definição), deve ser ele próprio o sumo bem, há de ser todo poderoso, ser onisciente e onipresente, é natural e fácil.

Criar

De forma geral e natural, talvez nunca consiga criar algo melhor do que eu mesmo, minha criação é limitada pelo que sou, e pelo que possa ser, talvez excetuando-se apenas causas furtivas da própria complexidade aleatória, minha criação não pode ser melhor que eu, pois sou eu quem a crio, ou generalizando, nenhuma criação pode ser melhor que o seu próprio criador.

Aprender a morrer

Hoje eu escutei que devemos aprender a morrer. Aprender a morrer!!! Para que?

A poesia

A poesia não existe solta, não existe em si só, e nem existe por si só. Exatamente como o amor, a poesia não é objetiva e não possui vida própria, mas diferentemente do amor, que eu construo em mim mesmo, e que ganha vida plena em meu ser, a poesia só ganha vida plena e existência própria no leitor poeta, e não necessariamente no escritor, por mais bela que seja sua construção plástica material. Tanto a poesia quanto o amor são assim construções, nascem do subjetivo e ganham objetividade nas obras que produzem, a diferença está em que o amor constrói-se em nós mesmos, e a poesia se constrói direto nos outros, nos leitores com alma plena da própria subjetividade objetiva da poesia.

Importa menos, importa mais

Importa menos com quem fica a verdade, importa mais qual é a real verdade, mesmo que de difícil alcance, importa muito mais buscá-la do que idealizá-la.

Orgulho idiota e tristeza pesarosa

Quando me chamam de diferente ou revoltado, sinto um misto de orgulho e tristeza. Orgulho idiota e tristeza pesarosa.

Sócrates insatisfeito

Creio que John Stuart Mill comentava algo como: “É melhor ser Sócrates insatisfeito do que um imbecil satisfeito.” Concordo, mas tenho minhas dúvidas de que todos concordarão, creio que existirão aqueles que defendam uma satisfação mesmo que ao custo da ignorância, que defenderão a ingenuidade e a ignorância como valores. Retornando a frase de Mill, eu acrescentaria que é impossível ser um Sócrates e ser ao mesmo tempo plenamente satisfeito, plenamente feliz, neste mundo em que vivemos, onde a miséria e a desumanidade ainda são marcas de nossa sociedade. Como diz Comte-Sponville a lucidez e a exigência andam juntas, e acrescentaria eu: A felicidade só é realizável no âmbito individual e subjetivo, mas alcançada apenas no âmbito social, todo o resto pode ser muitas coisas como vaidade, egoísmo, descaso, inação, medo, mas nunca será felicidade verdadeira.

Como pode alguém preferir reclamar

Como pode alguém preferir reclamar à tentar fazer por si mesmo; preferir culpar à ousar transformar; preferir seguir à ser desbravador do viver; preferir se desculpar pela inação à se arriscar pela ação, e a preferir, por fim, copiar do que construir, e reviver do que a aprender vivendo?


Somos todos “filhos” do pó das estrelas

Somos todos “filhos” do pó das estrelas
Somos todos “filhos” do pó das estrelas. Sem elas existiriam basicamente o Hidrogênio, o Deutério (um isótopo do Hidrogênio com dois nêutrons, também conhecido vulgarmente como hidrogênio pesado) e algum Hélio.
No início, era o nada. Não o nada como o imaginamos, macro "cosmicamente" em nossa mente, o nada como um espaço vazio, pois ai já não seria um nada pois que o espaço é por si só algo real, mas sim o nada quântico, também nunca um zero absoluto, mais difícil ainda de se imaginar com nossa mente limitada, mas um nada de espaço-tempo, um nada de matéria comum, mas um nada repleto de algo quântico, virtual que seja. 

Não bastasse a pobreza

Não bastasse a pobreza que por si só já leva sofrimento a uma população, ou a um grupo de qualquer população, a natureza, aética como é, age porque responde as leis naturais, e acaba algumas vezes por piorar ainda mais o sofrimento de muitos. O que é mais doloroso, é que a cegueira moral da natureza, acaba por piorar ainda mais, a situação de vida dos mais pobres, uma vez que os ricos e poderosos sempre possuem alternativas para reconstruírem suas vidas, ou em último caso até mesmo saírem do local ou mesmo do país, e continuarem suas vidas, enquanto aos pobres, cabe apenas um maior sofrimento da fome, da miséria, e da perda de irmãos.
Aos que pouco tem, mais fácil se lhes tiram o que possuem, e aos que muito já possuem, mais facilmente mais conseguem.

Como posso achar que realmente amo

Como posso achar que realmente amo, achar que sou realmente capaz de amar em toda essência do que o amar seja, uma vez que talvez sequer tenha aprendido a respeitar a todos os outros, em especial os diferentes de mim, os distantes de mim, os que comigo não comungam, os que não vejo, ou então aqueles que são naturalmente excluídos e abandonados?