Como posso achar que realmente amo

Como posso achar que realmente amo, achar que sou realmente capaz de amar em toda essência do que o amar seja, uma vez que talvez sequer tenha aprendido a respeitar a todos os outros, em especial os diferentes de mim, os distantes de mim, os que comigo não comungam, os que não vejo, ou então aqueles que são naturalmente excluídos e abandonados? 


Amar enquanto uma palavra, um termo, ou um ideal, é algo bonito, mas inútil em si mesmo, uma vez que o amar somente faz sentido quando verdadeiramente prático, quando atuante em relação aos outros, todos os outros. A realidade do verdadeiro amar é muito complexa. Já que amar de verdade, em especial amar aqueles que estão longe de mim é algo bem teórico, fácil de falar e difícil de fazer, fácil de nos enganar e difícil de nos comprometer. Entendo que seria muito mais humano, prático e social, se como desafio maior nos propuséssemos a respeitar todos os humanos, mas também respeitar toda a vida e a própria natureza que possibilitou que a biologia surgisse da física e da química, e que da biologia, por adaptação e seleção, surgisse a mente. Respeitar talvez esteja bem aquém do amar, mas é por si só mais real, prático e já é um grande caminhar na construção de um legítimo sentido e sentimento do verdadeiro amar.

Respeitar pode parecer algo pequeno, mas engana-se quem acredita que o respeito seja algo de menor valor humano, O respeito sincero é algo muito importante em nossa caminhada como humanos, é algo que sendo mais prático do que o amor, já nos colocaria em plena realização de nossa humanidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia