Ser mais um

Ser mais um, no meio da multidão, é ser apenas mais um, sem ser, realmente, em verdade, absolutamente, um único e qualquer um a mais, é ser sempre mais um, sendo parte dos muitos, sendo quase nada a mais que APENAS mais um.
Mas para ser verdadeiramente um, e não apenas mais um que quase nada é, significa não caminhar necessariamente para onde a multidão caminha, ou caminharemos às cegas, e nem caminhar para onde desejem que caminhemos, não é também caminhar apenas pelos caminhos que nos pareçam, mais fáceis de trilhar. Ser mais um, sendo um em verdade, é não se ater ao que parece, tentando sim se ater ao que é, é não se corromper frente ao gostaríamos que fosse, mas se empenhar em descobrir o que se passa no submundo das engrenagens reais, para ser o que é, é não se curvar frente as falácias do que deveria ser, mas se expor de corpo e alma na transformação do que já é, para que possa ser mais humana e mais digna a realização do viver, de qualquer viver, de qualquer um, em qualquer lugar. Ser mais um, é não ser mais um qualquer, mas é ser mais um que sabe para onde quer ir, que se nega a seguir sem pensar, refletir, criticar e racionalizar, se a racionalização for possível, é pelo menos tentar escolher, se não os caminhos, pelo menos as direções, pelo menos os destinos, e saber que todos os destinos, são meras passagens para um novo destino, nunca estaremos no destino final, a menos que morramos neste, ai este foi o nosso destino final, não por que o tenhamos querido ou decidido, mas porque a realização do nosso real viver assim o fez, sem destinos traçados mas com destinos buscados, destinos construídos em nossas passagens, destinos aprendidos em nossa jornada, destinos que são mais as próprias vias de nosso caminhar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação

Recomeçar

Gostamos de exigir

Livre arbítrio