*** VALOR E VERDADE ***

Valor e Verdade

Alguns de nós, incluindo eu até alguns anos atrás, confundimos um pouco Valores com Verdades.
  
Valor:
É a importância que damos a determinadas coisas, ações ou pensamentos.

O valor em si não possui verdade objetiva, nenhum valor é objetivo em si mesmo e nada tem de comum com a verdade. A verdade é que possuímos valores, que nós mesmos subjetivamente atribuímos às coisas, e de valor, é que alguns valoram positivamente a verdade, mesmo que contrarie nossas crenças, nossos desejos, nossos interesses ou o que gostaríamos que verdade fosse.

Apesar de contrariar a percepção inicial, atribuímos valor positivo ao que achamos certo ou ao que gostamos, e não o contrário, como possa parecer intuitivo, que gostamos e achamos certo o que possui valor positivo. O valor não existe como atributo das coisas. O valor é dado pelo observador, ou pelo ator.

Diferente da verdade, pessoas e povos diferentes dão diferentes valores a fatos. Valores estão envoltos em conceitos, em cultura, em moral e em ética. Os valores não são coisas, e nem simples ideias que adquirimos, mas são conceitos que traduzem as nossas preferências. Nem todos possuímos os mesmos valores, nem valorizamos as coisas da mesma forma.

Valores são princípios sobre os quais erguemos o edifício das nossas vidas. São eles que em última análise inspiram, determinam e orientam as nossas ações. Valores são adquiridos ao longo do nosso processo de educação e socialização. Por isso, valores precisam ser examinados criticamente o tempo todo. Precisam ser entendidos e assimilados em vez de serem simplesmente “aceitos” sem maiores explicações, de maneira, muitas vezes, totalmente irracional.


Verdade:
A verdade está relacionada a conformidade com o REAL. Ela não possui valor intrínseco. A verdade simplesmente é.

Apesar de poder assumir diversos significados, tanto no dia a dia, quanto no mundo filosófico, a verdade tem muito a ver com estar de acordo, ou totalmente aderente a fatos ou a realidade crua. Apesar da verdade em si, a verdade objetiva, ser única, como somos seres subjetivos, acabamos criando imagens subjetivas (verdades subjetivas) das verdades objetivas, e estas podem variar de pessoa para pessoa, uma vez que dependerá dos filtros conceituais que aplica, e da imprecisão dos sensores e do foco real que aplicamos na interpretação daquela verdade objetiva, que sempre existirá.

A verdade objetiva sempre independerá de valores, de conceitos, de moral ou de ética, agora a verdade subjetiva muitas vezes é influenciada por estes conceitos.

Não devemos confundir verdade com a realidade que percebemos superficialmente, e muito menos com desejos, vontades, ou mesmo com o que acreditamos que devesse ser. A verdade não possui ética, ela reflete um fato, um evento, ou alguma realidade, dentro da máxima capacidade perceptiva que pudermos. Se deus existisse, a verdade seria aquilo que este deus onipotente e onisciente perceberia da real realidade. Como deus não existe, e estamos longe de sermos seres com poder de percepção absolutos, entendo e defendo a ideia de que jamais teremos o conhecimento total de toda verdade objetiva, posto que a natureza é prolixa em sua complexidade, e nossos sensores/sentidos, fontes básicas de obtenção de informações são falhos e não possuem sensibilidade de obtenção e tampouco possuímos capacidade mental ou eletrônica para processamento de todas as informações pertinentes em toda a sua riqueza de detalhes.

Quando falamos de verdade, a menos da matematicamente provada, estamos falando de aproximações, de verdades subjetivas racionalmente trabalhadas, e mais perto da verdade estaremos quanto mais aproximado do real estivermos. Isto não nos permite abrir mão de buscar as verdades. Se não a posso obter em sua totalidade, posso por refutações sucessivas, ir eliminando as conjecturas erradas e assim, cada vez chegando mais perto da verdade objetiva (cada vez mais alinhando a verdade subjetiva com a objetiva).

Verdade, de alguma forma, consiste numa relação de conformidade entre o conhecimento e as coisas consideradas.

Apesar da verdade ser em última instância algo absoluto (verdade objetiva), para nossa realidade ela não passa de algo relativo (verdade subjetiva), posto que não a conseguimos ver em toda a sua completude. Como já comentado, o máximo que conseguimos é vê-la por aproximação.


A verdade só tem valor positivo para quem a ama, e o valor só é verdadeiro para quem a ele se submete, mas submeter-se aos valores pode significar abrir mão da busca da verdade objetiva, pois esta pode ser feia, má ou injusta aos olhos sentimentais e subjetivos de quem a percebe, Em verdade, toda verdade é independente de valores, é aética, ela reflete um fato em um determinado ponto do espaço-tempo. Valor e verdade são dois atributos que normalmente não reagem como mistura ideal.
      

O puro e simples conhecimento do que é verdadeiro, mesmo que em sua essência total, não possui força para mudar a realidade em que vivemos. O que pode mudar nossa realidade, são as ações e comportamentos que possamos ter baseado no que se conhece de verdadeiro, ou pelo menos é assim que vejo. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação

Gostamos de exigir

Recomeçar

Livre arbítrio