Valor


A consciência de qualquer ato ou fato, por mais absoluta que possa parecer, não é suficiente para dar valor a este fato ou ato, somente o desejo, a repulsa ou a interpretação subjetiva deste ato ou fato, é que podem dar valor a eles.
Ousaria repetir um pouco de Espinosa, e comentar que não é porque algo é bom que o desejamos, e sim, é exatamente porque o desejamos que o achamos bom. 

A realidade em si não possui valor algum, ela simplesmente é o real. É o nosso subjetivo, consciente ou inconsciente, que doa valor ao que percebemos da realidade, valor este que nunca é do real em si, mas em realidade é nosso, somos nós quem valoramos tudo e qualquer coisa. A realidade somente tem valor para quem dá valor a realidade, seja este valor bom ou ruim. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia