Verdade e ética

Infelizmente para nós, a verdade e a moral não andam necessariamente lado a lado, e nem existe razão natural para que assim o fosse. Em verdade, a moral e a verdade, diversas vezes estão em hemisférios opostos. Muitas vezes a verdade nos parece imoral, e outras vezes a moral não reflete a verdade.


Isto nos parece, a princípio, uma tragédia existencial. Gostaríamos de conhecer toda a verdade real da vida e do universo, e gostaríamos que ela sempre refletisse valores que consideramos éticos e morais. Não existe absolutamente nenhuma razão natural para que isto assim o seja.

A verdade por si só é aética, não apresenta, nem representa valores quaisquer, ela reflete a realidade seja esta social, mental ou física, ela é sempre natural e imanente em sua amplitude. A moral reflete nossos princípios culturais e pessoais, são valores que atribuímos as coisas e também são valores que atribuímos ou atribuiremos as verdades que conhecemos ou que venhamos a conhecer. A ética e a moral nascem da necessidade humana de conviver em sociedade e em buscar dignificar nossa condição humana e social.

A mesma relação vale, é claro, para as verdades científicas, afinal de contas verdades são verdades. Não existe, da mesma forma, ligação entre estas e valores morais ou éticos. A verdade científica é também crua, nua e fria. A ética deve entrar no como nos utilizaremos destas verdades científicas. O que deveria caber é um cuidado e um zelo adicional quando verdades científicas possuem potencial para serem imoralmente utilizadas, gerando assim perigo no manuseio destes conceitos, modelos ou provas científicas, entretanto quem define o que é moral e imoral, no geral, excetuando-se extremos, não é uma tarefa fácil esta definição, pois que tem muito de pessoal. Os cientistas necessitam abordar de frente toda a verdade científica, mas deveriam dedicar um conceito de humanidade e uma humildade especial para as verdades científicas que possam ser utilizadas ou servir de escusas para maus atos ou para justificar perseguições e preconceitos ou mesmo exclusões, quaisquer que sejam estas.

Não abrir mão das verdades científicas deve ser o caminho, mas devemos temperar esta procura e sua divulgação com um molho especial de humanidade e um recheio natural de dignidade humana. Eu sinceramente não acredito que uma verdade absoluta, natural e imanente possa ser imoral e indigna, me bato que o problema está no mau uso desta verdade. Muitas vezes a verdade é simples, e deve servir de revisor natural para nossos valores éticos e morais, que muitas vezes estão distorcidos e corrompidos por falsas verdades, mitos e propagandas enganosas. Entendo que se uma verdade parece totalmente indigna, ou esta verdade está incompleta ou ela não é uma verdade na concepção da palavra, ou nossa valoração de humano e digno esteja distorcida, mas um cuidado muito sério deve ser mantido por todos, cientistas ou não, de que o fato de se utilizar de verdades precárias e parciais é típico dos que desejam manipular a sociedade e em especial os mais ignorantes (no sentido único daqueles que ignoram verdades maiores).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Tales de Mileto

Sorrio

Não creio que exista alguma lei do retorno