Sou polêmico?

Se eu sou polêmico? Não me acho polêmico, me acho crítico, me acho um eterno buscador não das minhas verdades, não das verdades que gostaria que fossem, e muito menos das verdades que me revelam ou que me são dadas como certas, apenas por serem divulgadas por autoridades do saber, por ditos sábios, ou simplesmente por que parecem mais humanas.


Busco as verdades em sua unidade real, nos bastidores e no submundo da realidade e não na superficialidade dos eventos, ou dos fenômenos. Talvez nunca chegue até elas, mas se consigo refutar muitas falsas verdades, muitas verossimilhanças, ou muitos sofismas, já valeu a pena tentar ser crítico, racional, e um pouco cético.

Posso ser muitas coisas, e o sou, mas não sou sofista. Posso nunca chegar a essência da verdade pura, mas estou mais perto dela, abrindo mão do que não pode ser. Não conhecer todas as verdades é um fato, mas daí a falar que não possuo verdade alguma é ridículo, e crer diferente das poucas verdades que conheço seria no mínimo de uma fraqueza psíquica absurda, seria puro fanatismo, fundamentalismo ou interesse.

Se por isso me acham polêmico, que pena, não ganho nada sendo polêmico. Busco ser crítico e livre de amarras quanto ao que a maioria possa achar, não escrevo para agradar ninguém, não escrevo para necessariamente convencer ninguém, escrevo para mostrar apenas meu ponto de vista, mostrar que podem existir outros pontos de vista, e divulgar o que gostaria de falar, e em especial, escrevo aquilo que defendo frente aos meus filhos, família e amigos, mesmo que entre minha própria família alguns não concordem comigo, simplesmente com o insignificante (para mim) argumento de que se a maioria pensa diferente de mim, é porque eu estou errado, se está na bíblia é porque é verdade ou o que é pior, que o meu ateísmo me levará ao sofrimento, e sem deus sou um perdido no mundo. Se minha própria mãe não me aceita como sou, e se gasta em orações para que eu mude e “caia em mim”, desta forma, nada que venha dos outros pode me chocar, pelo menos meus filhos e esposa me entendem.

Meus textos são o que são, sinceros com o que penso, e não com o que os outros pensem. Alguns poucos gostam, muitos se sentem incomodados, e outros rejeitam. Se meus textos mudam ao longo do tempo, que bom, é sinal que minhas buscas estão me mostrando alternativas, pois que por mais que estude e perceba evidências, como algo cético, sempre terei algumas dúvidas, o que me faz mais ainda estudar, diferente de muitos que não possuindo evidências reais alguma, agem na certeza de que sabem as verdades.

Estou certo? Não sei responder absolutamente sobre tudo que sei ou que creia. Entendo que esteja certo em certas coisas e que possa estar errado em outras, mas sou coerente com o que penso e sinto, e estarei sempre aberto a mudar de opinião tão logo evidências ou provas me mostrem um caminho.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação

Livre arbítrio

Recomeçar

Gostamos de exigir