Não sou, e nem...


Não sou tudo o que deveria, e nem deveria ser exatamente tudo o que sou.


Não sou tudo o que quero, e nem quero exatamente tudo o que sou.

Não sou tudo o que preciso, e nem preciso ser exatamente tudo o que sou.

Não sou tudo o que aprecio ser, e nem aprecio exatamente tudo o que sou.


Nunca sou no todo, apesar de ser sempre tudo o que sou.

Sempre serei em parte, mas na parte que sou, sempre serei o todo, porque tudo que sou sempre será apenas parte do todo que poderia ser.

Incompleto, imperfeito e mutável, este sou eu, a parte do todo que me faz sempre todo sendo sempre apenas parte. Completo na total incompletude, perfeito na total imperfeição, e estável em plena estabilidade da mutação. Sou um sendo muitos, e sou muitos sem abrir mão de ser um.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

Tales de Mileto

O que somos?