Desafio da realidade

Eu vejo a ciência como uma espécie de desafio da realidade. A realidade em si não tem desafio algum, ela esta aí, ela é, ela própria, em si mesma, a realidade do que existe, do que acontece, do que deixa marcas, do que sequer sabemos que está ocorrendo, e não existe desafio algum com a realidade, quer eu goste ou não, quer eu aceite ou não, quer eu concorde ou não. A realidade ousa acontecer, ousa ser, ousa realizar-se a si própria, assim, o desafio, penso eu, está no entender esta mesma realidade, está no compreender cada vez mais ela e suas engrenagens, está no conhecer não somente os fenômenos perceptíveis, ou melhor, seus fenômenos como os percebemos, mas está em descobrir, nunca inventar, nunca em criar, mas sim em apreendermos o superficial, mas também apreendermos o submundo real desta realidade.

Este desafio é a ciência, pois é ciência aquilo que descobrimos, que aprendemos, que conhecemos sobre o real que nos faz ser e que nos faz participar do que já é, e do que está sendo, além daquilo do que está se transformando para ser, pois é a ciência, a ciência do procurar e do entender, nunca do inventar, sempre do descobrir.

Richard Dawkins em um encontro com um astrofísico comentou que entendia a ciência como a poesia da realidade. Se entendermos, como pessoalmente entendo, que a realidade é, então podemos aceitar que o conhecimento, que o aprender, sempre será uma aproximação desta realidade, e assim seria ela, a ciência, uma espécie de poesia, não pela liberdade poética de criar, de sonhar, de inventar, mas sim pela beleza sutil do que ela nos permite perceber. O conhecimento nunca será total, assim na melhor das hipóteses, o conhecimento, e assim a ciência (porque ciência nada mais é do que conhecimento verdadeiro) serão sempre uma aproximação, uma simplificação do real e realmente teria um que de poesia, pois que a ciência sempre será “uma figura de linguagem” descrevendo a complexidade infinita do real.


A ciência é o desafio que se nos impõe para entendermos a realidade, todo o resto sem ciência pode ser lindo, agradável, encantador, mas será falacioso, não porque seja necessariamente uma mentira em si, mas porque lhe faltará a força do experimento, o filtro da refutação, a justificação das provas, e a democratização do refazer, do poder refutar e do buscar novos conhecimentos para aprofundar o que já conhecemos, e em alguns casos de até podermos recomeçar nova ciência.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O sábio é um egoísta que deu certo

Nem sempre o verdadeiro há de ser real

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros