Excluídos

Os excluídos são seres que quase praticamente não existem para a sociedade que ajudamos a manter. Eles são considerados uma espécie de párias vivos para os quais a sociedade tende a ignorar e a virar a cara, pois que não se acha responsável por eles. Muitos de nós tende a culpar os que sofrem, e não as causas e origens do sofrimento. Eles são seres que passam a ser quase que intangíveis, transparentes para os nossos olhos e para os nossos corações mentais, e apenas ganham algum destaque quando aparecem em estatísticas, quando impactam a vida ou o viver de algum abastado, quando colocam em risco ativos valiosos para a economia, quando podem expor ou sujeitar o poder político, econômico ou religioso, ou quando podem ser massa de manobra para algum projeto falacioso de inclusão.
No geral poucos se sentem culpados ou no mínimo corresponsáveis por eles, pelo estado deles. Naqueles casos de risco o estado e a sociedade sabem muito bem o que fazer, criminalizam imediatamente suas aspirações, suas ações, suas organizações ou suas reinvindicações. Um excluído criminalizado é mais seguro do que um excluído engajado, coordenado ou politizado. Um excluído alienado é melhor ainda. Um excluído com esperança cega de que o seu sofrimento seja uma purificação, uma experimentação necessária para um porvir de glória e um pós morte digno é muito melhor ainda, pois que não somente o mantem inativo, mas orgulhoso de seu estado de sofrimento. Um excluído que deixa de ser invisível ou transparente para a sociedade, passa a ser visto como perigoso por esta mesma sociedade e pelos poderes instalados, porque passa a ser fonte de riscos, uma vez que já não tendo nada a perder, tudo pode por suas aspirações, e uma revolta que envolvesse todos os excluídos, todos os segregados, todos os miseráveis, e todos os pobres teria um poder avassalador, a sorte para a sociedade que os exclui é que eles não sabem a força que teriam juntos, e organizados, e mesmo assim temos o cuidado de os manter desagregados e sem educação, instrução e cultura política, pelo bem deste mesmo estado que continua a utilizá-los como massa de manobra.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão

Educação