Enquanto

Enquanto acreditarmos que o espiritual é mais importante que o material (que o transcendente é mais importante que o imanente, ou que o ideal é melhor que o real), continuaremos enriquecendo igrejas, construindo templos faraônicos, cobertos a ouro, ao invés de verdadeiramente e "multidisciplinarmente" educarmos a todos, provocando a curiosidade, a dúvida e a busca crítica em todos, em especial em nossas crianças, pensando livremente, desenvolvendo um pensar racional, lógico, e crítico, na busca de uma transformação deste mundo, na crença no método científico, e na ousadia de sermos vanguardistas, aventureiros e caminhantes pela busca do verdadeiro saber e, do conhecimento, e do respeito ao natural, e enfim, a alimentarmos os miseráveis, não somente com caridade que nada transforma (necessária frente ao estado de desigualdade atual), mas sem capacidade de por si só incluir esta população, mas sim com igualdade, liberdade, respeito, e crescimento humanos.


Enquanto acreditarmos em “crescei e multiplicai-vos” continuaremos a desprezar o planejamento familiar, os métodos de contracepção, e o simples uso da camisinha. Em nome de um rebanho maior, as crianças não desejadas, a aids, ou as doenças venéreas são meros acidentes de percurso, são perdas marginais em nome do crescimento do rebanho.

Enquanto acreditarmos em “ide e fazei discípulos” continuaremos a desprezar o respeito universal por todos, pelo verdadeiro conhecimento, pela liberdade de pensamento, pela igualdade entre os povos e entre os seres humanos, e em alguns casos a desprezar a igualdade entre homens e mulheres. Como estatisticamente apenas 5 a 7 por cento das pessoas são ateus ou agnósticos (e estes estão principalmente, mas não somente) nos países mais desenvolvidos e com maior IDH), isso significa que 95 a 93 por cento da população já tem alguma religião ou crença, e fazer discípulos significa converter religiosos de outras crenças naquela em que acreditamos, e que entendemos ser a única verdadeira, implica em “brigar” e desmentir as outras.

Enquanto continuarmos acreditando em catequeses continuaremos a desprezar o livre pensamento, a forma racional e crítica de pensar, a forma algo cética de encarar tudo. 

Enquanto continuarmos acreditando que somente a nossa religião é a verdadeira e que somente ela é está certa, que somente as nossas crenças ou padrões éticos e morais são os válidos continuaremos a segregar, a agir preconceituosamente, a oprimir e a achar que é digno tudo fazer pela conversão dos outros a nossa fé e a nossa esperança.

Enquanto acreditarmos na infalibilidade do papa, continuaremos escravos da ignorância e da presunção de sabedoria e de autoridades do saber de um mortal comum.

Enquanto acreditarmos que a bíblia é santa e perfeita, ou que outros livros tidos como sagrados sejam eles também santos e perfeitos e fonte pura de toda a sabedoria ética, mral e humana, poderemos continuar justificando a homofobia, e a desvalorização da mulher, o fundamentalismo, algumas guerras (santas ou não), alguns motivos terroristas (é obvio que nem todo ato terrorista tem fundamentação religiosa), entre outras desumanidades.

Enquanto acreditarmos que somos criação divina, feito a imagem e semelhança de um ser divinal, estará justificada nossa presunção de que a terra é mera propriedade absoluta da humanidade, e que a natureza como um todo somente existe para nos servir, e assim justificamos nossa devastação dos recursos naturais, além de justificar nossa prepotência de homens perfeitos em essência.

Enquanto acreditarmos que estamos de passagem, que existe vida após a morte, e que esta vida será o melhor de tudo, estaremos abertos a justificar o nosso descaso para nosso planeta e para os nichos ecológicos, pois que não "somos" daqui, apenas estamos de passagem por aqui.

Enquanto acreditarmos que a pobreza e o sofrimento são os melhores caminhos para a eternidade, poderemos justificar nossa inação, com a desculpa de que os pobres e os que sofrem mazelas sociais, segregações sociais ou exclusões sociais estão melhores do que nós, pois deles será o reino de deus.

Enquanto fico aqui escrevendo, deveria ter a vergonha na cara de ir para a rua, trabalhar firme por uma transformação humana e social de nossa realidade do viver, devia estar revolucionando o mundo por um mundo mais digno socialmente, mais respeitoso para com a vida e mais humilde para com a natureza.

Enquanto vocês acreditarem que eu sei alguma coisa, vocês estão caindo mais uma vez na falácia de que alguém pode ser o dono da verdade. Que este texto sirva apenas de provocação, que vocês pensem, livre de preconceitos, até porque pensar ainda é secreto, e que ousem pesquisar, estudar multidisciplinarmente, aprender, rever conceitos, buscar conhecimentos científicos, entender as possibilidades do método cientifico... Que sirva de provocação para pensar, pensar e pensar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão

Educação