Perco-me

Perco-me na imensidão do que sou sem realmente saber todos que me compõem. Sou a essência de muitas essências, sou a infusão de muitos princípios. Essências que se diluem, algumas, e essências que não reagem entre si, outras, assim sou complexo e instável, sou múltiplo e mutante, sou único pelo resultado, muitas vezes não esperado, onde a consciência disto é mínima, ou nenhuma, e onde o livre arbítrio sobre quem sou pertence ao meu inconsciente.  

A parte consciente de minha mente é de longe a menor parte desta mesma mente. Somos em particular a profundidade de nosso inconsciente. Na batalha para ser, sou sempre, a cada momento, apenas um, um dos muitos que disputam ser o ser que sou, podendo ser inconscientemente um ser diferente do ser que acho que sou conscientemente, até mesmo porque quase nada consciente somos. O consciente pode parecer formoso, importante e seguro de si, mas infelizmente quem verdadeiramente manda e distribui as cartas, pelo menos a maior parte do tempo, é o desconhecido, temido, e muitas vezes relegado inconsciente. A real aparência de força do consciente se perde frente a real aparência de fraqueza do inconsciente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia