Desumano

Eu me lembro, como se as estrelas conspirassem para que nunca me esquecesse, mantendo esta lembrança escrita em sangue dourado, bordada em renda humana, conectada em sinapses mentais, e iluminada ao fogo da meia noite, a certeza de que estou longe de ser o que deveria ser, onde uma tormenta mental espreita preguiçosamente aguardando apenas cada momento presente para me fazer eternamente recordar do que não consigo esquecer: que sou um fraco, um conivente com o que aqui está, um  irresponsável, um insensível, um descompromissado, e um desumano.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão

Educação