Em Geral

Em geral a fé mística, cega, em algum ser transcendente, não muda para melhor a realidade sofrida de muitos e muitos, mas tende a impedir muitas perguntas, a restringir muitas respostas, a dirigir muitas interpretações da verdade, a omitir muitos fatos que não interessam, a tolher o livre pensar, a distorcer a realidade, e a catequizar acima de ensinar a livre pensar, a estudar o real, a racionalizar, a pesquisar, a observar e dar o real valor à natureza como um todo, e em especial ao animal humano que vive o aqui, o lá e o acolá, entre os nossos ou entre os deles, e o agora. Eu sei, este é um problema, não somente da fé mística, mas da fé cega em todo e qualquer ramo do viver, religioso, materialista, ou filosófico, porem na fé cega religiosa, ela se reveste de uma falsa áurea de dona maior da moral e do amor, por isso ela possui um poder maior de convencimento aos mais ingênuos e puros.
A morte é nossa vizinha mais próxima, e muitos morrerão em abandono, sofrimento e desespero, uns por culpa própria, e muitos e muitos outros por culpa da maioria de nós. O instinto ou sentimento de religiosidade é um fato para muitos de nós, deve ter inclusive raízes evolutivas, mas porque cargas d’agua devemos aliá-lo a alguma religião, a religiosidade sincera e natural deve estar profundamente compromissada e enraizada com o aqui e o agora, com o bem estar social e natural, e não com algo prometido que pode nunca vir a ser, ou mesmo que pode ser impossível de acontecer. 


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia