Viver


Viver é preciso, morrer, uma realidade inexorável.
Viver é impreciso, mas morrer é um fato.
O viver pode até não ser preciso, mas morrer é o próprio destino.

O destino do viver é se aproximar inexoravelmente do fato real do morrer.
O limite da vida, que tende ao futuro, é a morte no presente vindouro.
O limite da vida, que tende sempre ao presente, é a eternização deste presente até que a morte o faça um passado sem presente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia