Palavras e sentimentos pela PAZ

Em minha fase religiosa, havia uma “oração” que eu gostava muito, muito mais do que qualquer outra, incluindo entre estas as “canônicas” pai nosso e a católica ave Maria (Já fui religioso, faz parte do meu passado, e não posso ter vergonha do meu passado, e sim buscar aprender com ele, o meu passado é parte do que sou hoje, foi caminho para o que hoje sou). Isto me fazia me sentir um pouco mal, pois que o pai nosso era bíblico e deveria ser a que mais deveria gostar, mas não era, de longe eu gostava mais da “oração” de são Francisco. Depois que entendi a não existência do transcendente, me pergunto, por que será que uma mensagem, que ainda entendo muito positiva, precisa ser direcionada a um ser que desconhecemos, e que hoje não ceio existir, ser este que sendo onisciente, como aventado pelos que nele creem, deveria saber o que sentimos? Hoje entendo que se retirarmos dela toda a referência a um deus, a qualquer deus, poderia servir como uma espécie de reforço mental ao que poderíamos tentar ser. Desta forma, aquela “oração” poderia ser uma forma sincera de buscarmos um autoconhecimento de nós mesmos, uma autoajuda no reforço mental e psíquico na busca de sermos um ser social, perdendo todo e qualquer referencial religioso ou místico.

Muitas vezes, ainda penso naquelas palavras, e de alguma forma ela se transformou em algo assim, para mim mesmo.


Que eu busque ser um instrumento pela paz social.
Onde houver Ódio, que eu busque levar o Amor,
Onde houver Ofensa, que eu busque levar o Perdão.
Onde houver Discórdia, que eu busque levar a União.
Onde houver Dúvida, que eu busque levar ajuda Racional.
Onde houver crenças infundadas, que eu busque levar alguma forma de motivar a busca pela Verdade.
Onde houver Desespero, que eu busque levar o compromisso por um respeito e empatia sinceros. 
Onde houver Tristeza, que eu busque levar alguma Alegria.
Onde houver incompreensão, opressão, e segregação que eu busque levar Sensibilidade e Humanidade, sempre por um ideal social.
Que eu sinceramente me comprometa em:
Mais consolar, que ser consolado;
Mais compreender, que ser compreendido;
Mais amar, que ser amado.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Educação

Recomeçar

Gostamos de exigir

Livre arbítrio