Religião


Entendo religião como um conceito genérico, que engloba sob uma única palavra, diferentes estruturas e conceitos, dogmas e princípios, filosofias e gêneses. Neste texto me aterei a não tecer comentários defendendo ou criticando uma ou outra religião, apenas me posicionarei contra uma posição, também geral, que ouvi hoje, e sobre a qual não consigo aceitar como verdadeira, qual seja, a de que todas as religiões, no fundo são iguais, e veneram um mesmo deus.


Falar de religião defendendo a crença de que todas são iguais e veneram o mesmo deus, é, para mim, apenas um mero jogo de palavras, que qualquer pessoa mais bem-intencionada sabe ser uma falácia, talvez maldosamente elaborada no início, visando confundir mais ainda os ingênuos, e acabou virando um meme mentiroso que serve para justificar uma possibilidade de ecumenismo natural. Se todas as religiões fossem iguais e venerassem um mesmo deus, porque cargas d’agua viveriam focadas em evangelização, tentando retirar fieis umas das outras, e não se uniriam em uma grande e universal única religião.  Cabe lembrar que em qualquer estatística sobre o assunto, apenas cerca de 5 a 8 por cento dos adultos são ateus e não creem em deus algum, e se acrescentarmos aqui os que se dizem crer em um deus mas que se dizem não ter religião, podemos chegar a cerca de 10 a 12 por cento, todo o resto, de alguma forma se diz ligado a alguma religião ou seita, evangelizar significa assim, convencer que um seguidor da crença A troque “de lado” e passe a crer na crença B. A evangelização e a conversão são tão fortes que várias são as vezes que se chegou, e se chega, as vias de lutas e guerras. Se todas as religiões fossem iguais, converter quem? Converter para que? Converter porquê? Eu não consigo converter um amante do rock para gostar de rock, pois que ele já gosta de rock. Se todas as religiões fossem defensoras de uma mesma fé, de um mesmo corpo moral e ético, de foco em um mesmo deus, e de uma mesma aceitação de gênese do tudo o que há, porque tamanha concorrência entre elas, e porque diferentes textos sagrados, com diferentes mestres, líderes, e diferentes lideranças políticas? Será que tudo isto, onde o teatro de guerra e os bastidores de convencimento e catequeses, acontece somente pelo simples interesse no aumento de poder e riquezas? Entendo que o interesse por poder e riquezas existe, mas entendo claramente que as religiões são não somente diferentes, mas muito diferentes, em princípios tão básicos que por si só se destrói totalmente qualquer tentativa de fazê-las, por qualquer razão ou princípio, sequer parecidas, quanto mais iguais. Elas são tão diferentes que algumas chegam a ser totalmente antagônicas entre si, outras são mutuamente excludentes. Algumas delas se arvoram em defender que somente elas são a verdadeira religião, que somente ela pode, realmente, ser o elo verdadeiro e único de alguma religação com o seu deus, como é o caso da católica, das cristãs, e da islâmica, outras religiões creem e veneram vários deuses, e assim por diante. Somente ingênuos, preguiçosos mentalmente, ou mal-intencionados, acreditam que as religiões são iguais. Se isto fosse verdade, escolher e frequentar igrejas e religiões seria meio como escolher a qual loja de uma específica rede de restaurantes ou de lanchonetes iriamos, pois que em qualquer uma loja que fossemos encontraríamos os mesmos produtos e serviços, mudando apenas as instalações, a localização, e a simpatia dos atendentes. Se este conceito fosse verdade, não precisava me colocar como sendo de uma religião específica, bastaria dizer que tenho religião, e ponto, e que assim se dizer de uma religião perderia o sentido, pois que todas seriam iguais. Poderia assim hoje pela manhã ter ido a uma, de tarde frequentar um culto em outra, amanhã passar em outra diferente, e depois retornar à primeira, como faço com uma rede de lanchonetes ou restaurantes. Mas todos sabemos, eu, você, qualquer um, que religiões não são iguais, e acabamos quando escolhemos por uma, tendo que aceitar seus dogmas, rituais, sua gênese, sua moral, seu deus dualista ou em unicidade com seu próprio viver. Religião é um termo genérico que abraça diferentes religiões, com diferentes características e princípios, com diferentes insights filosóficos e com diferentes formas de deus. Não sou dono da verdade, e nem quero parecer prepotente, posso estar errado, mas esta é a forma como vejo as religiões, elas são tão diversas para mim, que me faz crer que somente mesmo sendo muito ingênuo ou mal-intencionado podemos empacotar como iguais religiões tão diferentes como o hinduísmo e o catolicismo, ou o islamismo com alguma vertente cristã, ou todas elas com o espiritismo, e assim por diante.

Outra frase que me incomoda é aquela de que política e religião não se discute. Claro que se discute, por sermos catequizados a não discutirmos política e religião, é que chegamos a este estado social e político, caótico, mas isto será assunto de outro post.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O sábio é um egoísta que deu certo

Nem sempre o verdadeiro há de ser real

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros