O Amor

O Amor sincero, puro, daquele que se doa no objeto de seu Amor, e se resigna em nada esperar de retorno, nos faz mais fortes, mais vivos, mais sadios, mais dignos de sermos unos com a mãe natureza, mais próximos de nossa humanidade, mais irmãos em espécie, e finalmente menos interesseiros, ambiciosos, e assim mais corresponsáveis pela dignidade social e humana, e mais compromissados com a natureza, e mais equilibrados por uma racionalidade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Não creio que exista alguma lei do retorno

Não perca tempo tentando provar que você é uma boa pessoa

Tales de Mileto

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos