Retornando ao assunto da diminuição da idade penal

Retornando ao assunto da diminuição da idade penal, tenho a dizer: 

Primeiro: Quero deixar claro que jovens e crianças não podem e não devem ser “presos” com adultos, isto é acabar de vez com qualquer chance de recuperação destes jovens e crianças.

Segundo: Qualquer pessoa mais bem-intencionada, que tenha pesquisado sobre as transformações fortes por que passam nossos cérebros, hão de ter deparado com a informação de que nosso cérebro, por volta dos 17 aos 19 anos passa por uma grande alteração plástica, eliminando uma série de ligações e reforçando outras, então é possível sim, nesta fase, para os não psicopatas, prover uma natural recuperação, desde que toda uma estrutura, inclusive social lhes seja disponível.


Terceiro: Tratar como regra para a redução da idade penal todo o conjunto de crimes hediondos me parece mais uma falácia tentando mascarar o verdadeiro interesse de retirar, pura e simplesmente, das ruas e da sociedade, um número de jovens sem lhes dar chance alguma a uma recuperação. Primeiro vamos nos ater que englobado como crimes hediondos estão um range grande de crimes. 

Quarto: Eu sei, já escrevi sobre isto, que talvez alguns jovens já tenham passado pelo momento de possível recuperação, e acrescento aqui, que entendo que existam jovens, de todas as classes, que são psicopatas contra a vida, seria estupidez minha não perceber isto. Assim, como todo ser humano de bem, estou totalmente aberto e disposto a prover alterações no estatuto dos jovens, que envolva clara e perfeitamente delimitado um tratamento especial para psicopatas contra a vida e  para os crimes hediondos contra a vida, e neste caso, o estatuto pode dar toda uma nova releitura acerca do que ser feito com este jovens em especial, e pode não limitar aos 3 anos, podendo até, pelo bem da sociedade e do resguardo à vida de todos, possibilitar recolhimentos sem limite de período. Volto a lembrar que psicopatia contra a vida abarca todas as classes. 

Quinto: Entendo que toda e qualquer oportunidade de recuperação deve ser provida aos jovens infratores, e que por menor que seja, é melhor do que nenhuma, retirados daqui, pelo bem dos próprios jovens e da sociedade os psicopatas que agem contra a vida, e todo e qualquer jovem que pratique atos hediondos contra esta mesma vida.


Por fim, em vez de ficarmos falando que a redução da idade penal é a solução, todos sabemos que servirá apenas para elevar a agressividade da cooptação pelo crime organizado de cada vez mais jovens de menor idade para o crime, a solução tem de passar por uma estrutura social mínima, qualquer outra linha é uma falácia, que possui interesses outros que não a verdadeira solução, quem sabe até o enriquecimento por mais presos. O Brasil já é um dos países que possui uma das menores idades (12 anos) para idade “punicional”. Se o ECA pode ser melhorado, estou aberto a toda e qualquer discussão que o possa melhorar, mas simplesmente enquadrar jovens, que chegarão a uma idade crítica no processo de redesenho neural, e exatamente neste período, eles estarem envolvidos em penitenciárias com criminosos “profissionais”, é apenas permitir que seus cérebros fiquem mais preparados para o crime. Segregar todo e qualquer crime hediondo contra a vida e possibilitar que a estes seja atribuída alguma reclusão de longo período, mas sempre em separado dos criminosos adultos, e com foco na recuperação e não apenas na reclusão, sim concordo.

Comentários

  1. O que mais me impressiona é estarmos discutindo maioridade penal num país em que apenas 8% dos crimes de assassinato chegam a condenação e que é o primeiro do mundo, em número absoluto de mortes violentas. Impunidade é a questão mais imediata e bem mais difícil de ser resolvida. Nossos parlamentares sabem disso, mas preferem, claro, (a maioria) pegar carona, explorar e colher frutos na onda popular. Bem mais fácil.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

Tales de Mileto

O que somos?