Viver, esta essência do ser, ninguém é, sem viver

Não existe homologação para a vida. Vivê-la é ao mesmo tempo fácil e complexo. Vivê-la é ser, e ao mesmo tempo estar. Viver é nunca saber até onde vamos, e apenas a vivemos como um eterno algo novo a cada instante. Em parte, podemos aprender a viver, sempre é possível retirar aprendizado do que já vivemos, mas em parte também de pouco pode valer este aprendizado, pois que sempre estaremos a experimentá-la como se primeira vez fosse. Calma pessoal, eu não disse que o aprendizado não seja útil, eu digo que é, mas o que eu quero dizer é que o que aprendemos se refere a uma realidade já passada, e a realidade como um todo é muito complexa, e nunca saberemos com certeza toda extensão das relações desta existência com o nosso momento presente, entendo mesmo que sempre saberemos apenas e tão somente uma pequena parcela deste todo existencial, assim, aquilo que deu certo no passado, pode não dar certo hoje, e a culpa não será necessariamente nossa, é que desconhecemos todas as intercorrências que a realidade nos coloca à mesa, em nosso presente, mas sempre saber algo será melhor do que nada saber. Eventos que desconhecemos sua existência ou sua origem, que inclusive podem ter acontecido no passado, podem pôr a perder tudo que fizemos, ou que tentamos fazer, sem que nos de a menor chance de tentar algum contorno que seja. Por isto eu comentei que mesmo todo o aprendizado, no tocante ao viver, pode ser de pouco valor para um viver que se presa por ser presente, por ser caótico, e por ser eternamente novo. Feita este breve comentário, posso retornar. O viver, o nosso viver, a nossa vida, nunca a estaremos sentindo em outra pessoa que não seja a primeira. Impossível me é experimentá-la pelos outros, como também o é, que os outros a realizem por mim. Sempre estaremos a experimentá-la como um desafio de primeira vez. Conseguimos algum aprendizado tão-somente com o presente fugidio que já se tornou passado, entretanto apenas a realizamos, nossa vida, no limiar do presente que continuamente se descortina para o novo, para o que ainda não é, para o limite existencial do presente que não para de chegar. 


O aprendizado de pouco pode valer, mas sempre valerá alguma coisa, até que um dia este presente nunca mais retorne, nos faremos mortos, e estaremos assim, a partir deste momento, fadados ao nada eterno. Viver é ser desbravador de um presente que ousa ser novo a cada instante, e que tão logo o é, deixa de ser, para tornar-se lembrança, desta forma somos executores de um eterno mover-se à frente, sem que se mova na realidade, sentindo como experiência de vida um passado que nos faz companhia. Sem concordar, ou me terem dado o direito a questionar ou escolher, nascemos pactuados com uma morte, que na verdade nunca a realizaremos, mas que um dia chegará por um novo presente que jamais poderá se tornar lembrança, e assim, que jamais poderemos realmente sentir sua realização, pois nossa dualidade de vida, é viver o presente que chega, mas ter consciência de um presente que já se foi. E com a morte, não mais existirá mente para conscientizar nada, inclusive a própria morte que acabou de chegar. Tenho certeza que teremos consciência do processo de aproximação da morte, de algum sofrimento, da possível tristeza daqueles que nos amam, mas a consciência exata da realização plena da morte, jamais a teremos, pois que enquanto vivos, temos consciência apenas do passado, que vivemos ou sentimos, passado este que ocorreu algumas vezes  a meras frações de segundo apenas, mas ao morrermos, nada mais seremos, e esta mesma fração de segundo necessária a conscientização nos impossibilitará de conscientizar a consumação da morte plena.

O presente é uma sucessão contínua de novos infinitesimais instantes de vida, um limite temporal que tende eternamente para zero, mas que se sucede continuamente, e que em algum momento de sua infinitesimal parcela de tempo, a vivemos plenamente, e que tão logo a vivamos se torna passado juntamente com sua conscientização. O momento presente é um processo contínuo onde este mesmo presente ousa não parar, e é assim eternamente novo como experiência. Podemos experimentar e realizar este presente em cada um dos instantes que se fazem existência, e podemos introspectivamente o perceber como um eterno contínuo presente.

O mais louco, pelo menos para mim, acerca do presente, é que, como já mencionei anteriormente, o percebemos como real presente, mas o que realmente percebemos já é passado, já se foi, por mais rápido que o cérebro pudesse processar, introspectivamente necessitamos de tempo para que captemos as informações, e que a processemos até que a consciência disto tudo possa se tornar presente, mas agora já é passado. O mais louco é que sendo seres de um viver no presente, somos na verdade seres que percebem seu viver, como presente, já sendo passado.

A mente necessita de um tempo físico para o seu processamento. Os sensores, todos eles, quaisquer que sejam, necessitam de um tempo variável para captar, perceber e converter em impulsos bioquímicos esta percepção. Uma outra fração de tempo é necessária para que estas informações convertidas em pulsos bioquímicos possam fluir desde os seus diversos receptores até o próprio cérebro. Apenas agora o cérebro, em processo autônomo e totalmente inconsciente, distribui as informações recebidas e processa descentralizada e paralelamente estas informações. Para isto é necessária também certa fração de tempo. Somente agora, com o gasto de mais alguma porção de tempo é que nossa mente consegue repassar sinais bioquímicos, do processamento autônomo de nosso cérebro, para nosso estado de consciência, e passamos a ter percepção do real presente que já não mais é real, enquanto presente, posto que já é passado. Nossa percepção do presente é ela mesma um reflexo de eventos passados. Desta forma cria-se uma aparente inconsistência de realizarmos nosso viver no presente que chega, e percebermos, ilusoriamente, este mesmo presente que não para de chegar como um presente real, mas na verdade somente conscientizamos este presente que realizamos como chegada, e que o percebemos como presente, em um presente que já se desloca como passado. Assim, todo e qualquer aprendizado estará sempre no passado, não existindo, portanto, homologação real, para o real presente que vivemos, sem percebê-lo enquanto presente, pois quando o percebemos, já é na verdade passado.

Viver, esta essência do ser, ninguém é, sem viver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Educação

Transgressões éticas

Carta de Richard Dawkins para sua filha, quando ela (Juliet) completou 10 anos

Empatia