A miséria corrói a sociedade

A miséria corrói a sociedade
Desumaniza lentamente os miseráveis
Retira importância à vida
Implica em perda do sentido de humanidade
Foca erradamente o valor humano
No pessoal
Na riqueza e nas posses
No poder e na autoridade. 

A grandeza de um homem
Não deve estar em si próprio
E sim na coesão social
Que consegue criar.


Quando o brilho de um homem
Reluz a si próprio
Falta a este homem humildade
Pois que a humildade reluz
O social, e não o pessoal.

A grandeza de um homem
Nunca está no brilho pessoal
E sim na capacidade humana de transformação
Por uma inclusão social, a mais plena possível.

Quando o brilho de um homem
Reluz sua própria vaidade de ser
Já ofuscou sua mente
Pois que a humildade sempre retira de si qualquer brilho
E o foca no todo, nos outros
Naqueles que a própria sociedade lhes restringiu brilho algum.

A mesma sociedade que crê no amor como sendo algo divino, é aquela sociedade que segrega, que exclui, que persegue, que explora, que destrói, muitas e muitas vezes, em nome deste próprio absurdo de amor divino. A mesma crença que acaba por levar a muitos de nós a acreditar que somos imagem e semelhança de um deus, é aquela que para justificar este deus, acaba por segregar, e nos faz beligerante frente a outras crenças, frente a outros deuses, frente a outros descrentes.

Aqueles mesmo que acreditam terem um motivo divino para passar por esta vida, são também, muitos deles, aqueles que, em geral, por esta mesma crença, minimizam a miséria (miséria esta que corrói a sociedade) que afeta muitos, como uma escolha, como incompetência, como “(des)meritocracia”, ou mesmo como uma benção aos miseráveis, que mais facilmente serão abençoados, por aquele deus.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros