Amo a ciência e valorizo ainda mais a matemática

Algumas áreas existem, que muito me fascinam, que me provocam, que me motivam e que me fazem buscar pensar, observar, estudar e refletir, entre outras posso comentar a ciência, a matemática, o social, e a ética. A ciência é para mim algo de suma importância. A ciência é por si só bela e magistral, e mais interessante ela é, não pelo que cria, pois que a ciência nada cria, ela nada constrói além do próprio conhecimento daquilo que já existe. A ciência, não obstante a imagem equivocada de muitos, daqueles que de alguma forma ignoram o que é fazer ciência, não cria absolutamente nada de novo, ela é uma ação metodológica que trabalha no campo da descoberta, da observação, da percepção, da modelagem e da compreensão. A ciência busca, aprende, modela, descobre, desvenda e encontra, ela está sempre aderente a realidade do que já está por aqui, a ciência constrói conhecimentos, ela busca verdades, ela busca não somente a superficialidade dos fenômenos, mais busca a realidade por detrás dos fenômenos, ela busca desvendar e esclarecer os mecanismos envolvidos que dão sustentação real ao que já é, ela se compromete com modelar o todo, busca representar mais que os fatos em si, busca identificar e confirmar as engrenagens aparentemente escondidas no subsolo dos fenômenos.

Pessoalmente amo demais a ciência, simplesmente porque amo o conhecimento e a verdade, no geral prefiro uma verdade dolorosa, feia ou que não se adeque a alguma crença que pudesse ter, a uma mentira feliz. Com a verdade e o conhecimento saio sempre mais forte e mais preparado para o aqui e o agora. Infelizmente muitos ignoram o que é realmente fazer ciência, a verdadeira ciência, e a confundem com pseudociência, achismos, mera estatística, misticismo, ou com alguma forma de ajudar a provar o que de antemão cremos e que gostaríamos de que verdade fosse. Um cientista, enquanto no papel de cientista, não é um inventor, não que não possa ser criativo o suficiente para além de buscar ciência também poder criar algo, mas enquanto cientista ele faz ciência, busca verdades e constrói conhecimentos, e enquanto inventor ele faz tecnologia, ele constrói algo de material ou de social.


Falei daquilo que entendo como uma força do intelecto humano, a busca pelo saber, pelo conhecimento, pelas verdades naturais, o uso da razão, da análise crítica e do livre pensar em prol do entender e do descobrir o imanente que somos e a imanência do tudo que nos cerca, mas tenho que, a bem da verdade maior, dizer que amando a ciência como algo fantasticamente belo, amo também o social e os princípios éticos, mas algo existe que valorizo como a mais bela, a mais incrível, e a mais poderosa criação do intelecto humano, (não me levem a mal físicos, biólogos, neurocientistas, astrônomos, cosmólogos, artistas, filósofos, sociólogos, e em geral, todos os cientistas), sou obrigado a assumir que entendo como a maior e mais brilhante investida do intelecto humano, a matemática, a matemática pura. A matemática é neutra por definição. Diferente de muitos, entendo claramente a matemática como algo de brilhante e não científico. Como disse anteriormente a ciência nada inventa ou cria, já a matemática nada descobre, por mais que uma ilusão idealista me induza a perceber que a matemática, frente ao seu brilhantismo, já exista algures, e os matemáticos a descubram, ela nasce de muito trabalho, estudo, doação, transpiração e alguma intuição. Para mim, a matemática é mais brilhante do que a própria ciência que muito amo, pois sendo neutra, é ferramental precípuo da ciência, sendo que uma mesma peça matemática pode ser aplicada a várias disciplinas científicas. A mesma, a exata mesma álgebra linear, a mesma solução diferencial pode ser aplicada a biologia, a física, a mecânica, a sociologia e a economia entre inúmeras outras. A matemática é um ato de criação intelectual. Entendo claramente que não cabe perguntar a um matemático se aquela peça matemática, aquele elemento matemático seja verdadeiro, a matemática não busca a verdade, pelo menos não a verdade científica, e sim a verdade matemática, busca por formalismo, uma abstração que se aplica a muitos ramos, e que é verdadeira no seu escopo matemático. A um matemático cabe a pergunta se aquela peça matemática é sim correta, se existem modelos que corroborem aquela peça matemática, e se ela pode ou não apoiar no estudo cientifico, social que estamos trabalhando. A matemática não busca o real, ela se torna ferramenta do real quando aderente a eventos reais. Eu costumo brincar que a matemática pura é a essência é a alma vivificante que quando aplicada a algo real vira ou ajuda a criar ciência. É a aplicação da matemática a modelos reais que faz daquela matemática algo que passa a incorporar “carne” e corpo real a abstração crua, linda, magnânima e fenomenal da matemática. Por isto a matemática, para mim, não é ciência, mas está ela, para mim, mesmo acima da própria ciência. Respeito os cientistas, mas praticamente me curvo e venero os bons e verdadeiros matemáticos.

Cabe apenas ressaltar que acima do intelecto humano ainda persiste a nossa humanidade, ou o pouco que resta de nosso diferencial humano, e assim ainda entendo o amor, de mãos dadas com a razão, como os constructos mais importantes, e no meu caso em especial, entendo também, serem os meus filhos a razão maior para minha atual existência, mesmo que passageira.

Comentários

  1. Interessante a sua visão da matemática. Eu sou um apaixonado por ela, jamais conseguiria viver sem pensar em qualquer coisa deixando a matemática à parte... eu a tenho como uma amiga! Muitas pessoas, ao passarem por situações difíceis na vida, procuram onde descarregar a tensão, aliviar o stress e muitos acabam trilhando caminhos que não são bons. Bem, me parece que você e ateu... eu sou cristão e digo que Deus colocou a matemática na minha vida para me dar um alívio mental, para ser a minha válvula de escape nos momentos difíceis. Creio que Ele me deu esse privilégio de amar a matemática, essa tão extraordinária área do conhecimento. Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro Adriano Martins Péres, fico muito, muito honrado mesmo pelo seu comentário... Obrigado... Entre minhas vontades, uma não me abandona, que é a de fazer um curso superior de matemática e logo depois um de física... Amigo, me permita chamá-lo assim, o que mais importa são nossas ações, e tenho razoável certeza que presamos juntos pela dignidade humana...

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O sábio é um egoísta que deu certo

Nem sempre o verdadeiro há de ser real

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros