Livro do viver e da realidade, e como uma genialidade pode transformar

Todos nós lemos o mesmo livro da vida e os mesmos textos do real. As páginas do viver podem ser diferentemente construídas por cada um, mas o ambiente que compõe o livro engloba a mesma imanente natureza e realidade que nos cerca. Cada um escreve capítulos diferentes, pois cada um realiza um diferente viver. Em geral somos simplórios na experimentação de nosso viver, e na interpretação da natural realidade na qual estamos imersos. A genialidade aparece quando damos nova leitura, releitura, ou interpretação, desta mesma realidade imanente. 


A genialidade tende a diferenciar aquela pessoa, por uma característica de foco, sensibilidade, percepção ou criatividade. O gênio tende a se diferenciar do comum, pois continua caminhando, indo mais longe e além, na interpretação desta realidade, ou em uma ação de criatividade, pois que aquela pessoa, por si só, não se contenta unicamente com o que possa apreender, ou criar, direta ou indiretamente. A genialidade, de alguma forma, constrói uma transformação, transforma a interpretação, ou interpreta de forma transformadora os mecanismos de ação por traz dos fenômenos superficiais, ou em linha diferente é capaz de criar algo não somente diferente, mas de alguma forma brilhante em relação ao que até aquele momento era comum.

Nossa humanidade deveria nos diferenciar dos demais animais, nossa inteligência prática e útil é um diferencial de viver, e a genialidade é um diferencial entre todos. Mas cabe ressaltar que a humanidade inexiste sem amor. Saber ou conhecimento sem amor pode distorcer nossa humanidade, e em geral pode nos levar a desumanidade. A genialidade sem amor, é que nem a racionalidade sem o mesmo amor, nos leva a dureza de coração e a ditadura do conhecimento. Tanto a racionalidade, quanto a genialidade, precisam do amor como ponto equilibrante de nossa própria humanidade. Em contrapartida, o amor sem racionalidade nos leva a fraqueza do viver. Para verdadeiramente amar necessitamos de razão, e a razão para ser completa necessita do amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

Tales de Mileto

O que somos?