Eu preferiria estar escrevendo para as paredes

Eu preferiria estar escrevendo para as paredes, desde que todos e cada um, e em especial eu mesmo, estivéssemos profundamente comprometidos em uma jornada sincera de, expostos de forma sensível a dor dos outros, nos lançar de corpo e mente como agentes de transformação e como potencial humano, pela luta franca e aberta por todos e cada um dos que sofrem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

O que somos?

Uma breve história, da semelhança à genética, e como a igreja se usou desta visão

Educação