Lembre-se, o medo

Lembre-se, o medo é uma espécie de penumbra do viver que pode nos separar da revolta e da ousadia, nos fazendo meros sobreviventes, quando na verdade, entendo que nascemos para construir, transformar, e resgatar em nós mesmos o racional amoroso que nos faz amigo da vida, dos vivos e da natureza em geral, e amigos também da ousadia de tentar, de buscar, de fazer, de se expor, e de continuamente se transformar por alguma transformação do que nos cerca, da sociedade e do social.... O medo é natural, entendo que ele foi de muita importância ao longo de nossa evolução, nos ajudando a aqui chegarmos, mas deixar que o medo nos paralise, que nos intimide, que nos bloqueie de sermos nós mesmos, e mais do que isto, de sermos alguém, por “menor” e “mais humilde” que sejamos, que está disposto a se expor pela necessidade humana e social dos outros, e por que não de nós mesmos, é deixar com que o medo, muitas vezes imposto, induzido, “criado” pelo próprio sistema para que tudo continue como está, funcione exatamente ao contrário do que nascemos para ser, para construir, e para ousar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

Tales de Mileto

O que somos?