Será que alguém consegue acreditar na estória do dilúvio

Será que alguém consegue acreditar na “estória” do dilúvio?

Apenas a parte logístico-operacional necessária para que algo como a estória do dilúvio fosse possível, já faz desta “estória” uma falácia pura. 
Acerca deste mito, por qualquer que seja o critério minimamente lógico-racional, ele é impossível de ser operacionalizado, hoje, imagina naquele tempo:
Como conseguir reunir um “casal” de todas as espécies de seres vivos espalhados por distâncias de vários milhares de quilômetros e algumas separadas por oceanos, bem como por pequenas ilhotas no meio dos mares, que não são capazes de sobreviver por tantos dias debaixo de água, ou que não conseguiriam voar por muitos dias ininterruptos, isto envolve não somente um volume avassalador de animais (e suas variações), mas também de plantas e etc. 

Pelo volume destas diferentes espécies (incluindo-se as plantas), e suas variações, a alocação de espaço necessário para salvaguardar todos estes seres vivos, fauna e flora, torna a construção desta arca algo praticamente impossível. Cabe lembrar que era necessário recolher também insetos, artrópodes, aves, e outras espécies vivas, incluindo-se muitas e muitas espécies de vegetais que não sobreviveriam debaixo d’água por mais de 40 dias. Cabe também lembrar que é necessário manter alimentos e nutrientes para todo este período de dias para todos estes seres vivos. Não podemos esquecer que cada ser vivo tem um nicho ecológico próprio, muitos deles fortemente específicos, como calor, frio, umidade e etc.

Findada a jornada épica, cada ser vivo, animal e vegetal deveria ser “devolvido” de forma espalhada por todo o planeta, incluindo-se de novo as distancias de muitos milhares de quilômetros e as separações por oceanos, o que de novo faz desta estória, um mito, um mero conto sem realidade histórica ou real alguma. 


Se apenas a logística inicial e final se mostra totalmente impossível, devemos ter em mente que muitas mais impossibilidades tornam esta história um super engodo. Antes de entrar no enorme volume, absurdamente impossível, de água necessário para cobrir toda a terra, vou comentar sobre alguns detalhes que passam despercebido por muitos.
Até mesmo para os seres aquáticos, há sérias restrições para a sobrevivência deles todos, pelo menos para a maioria deles. Se a água subiu a nível de cobrir toda a terra, a localização de água doce acabou nos rios, lagos e afins, pois que passou a ser um só bloco de água, acabando toda e qualquer água doce, a menos da água que caía da chuva. Muitos seres vivos aquáticos são de água doce, como sobreviveriam? E se pensarmos na água do mar (salgada), ela sofreria uma diluição absurda em sua composição de sais, reduzindo absurdamente seu teor de salinidade, o que acabaria com o poder de sobrevivência para muitas e muitas espécies de seres de água salgada, nesta “nova” situação da água, totalmente diluída, de uma hora para outra, e sem tempo de adaptação para os seres vivos.

De novo, estes itens, acima, por si só já impossibilitam crer no dilúvio, mas vamos agora ao volume de água necessário para cobrir todo o planeta, submergindo toda terra firme.
Como dados temos:
Raio médio da terra, pois que a terra não é perfeitamente esférica: 12.742.000 m
PI utilizado: 3,1415
Vou me utilizar de uma altura de cerca de 8.000 m (arredondado apenas por facilidade) para cobrir todas as montanhas.
Formula do volume: V = (4 * 3,1415 * r * r * r) / 3 
A aplicação será calcular o volume com o raio médio da terra (que chamarei de Vrm), e calcular o volume com raio médio da terra + 8000 m (que chamarei de Vr8), e fazer a subtração Vr8 – Vrm, e teremos a diferença em metros cúbicos. Como cada 1 metro cúbico é igual a 1000 litros, multiplica-se a diferença por 1000 e temos o volume em litros da água que deveria ter caído, de repente, e permanecesse caindo em 40 dias, para repor a água evaporada. 
Feitas as contas, desprezando-se as margens de erro, temos como resultado o absurdo valor de mais de 16.000.000.000.000.000.000.000 de litros de água de chuva necessário para inundar todo o planeta, isto por si só já é impossível de chover em 40 dias, mas mesmo que fosse possível, de onde veio esta água toda, pois que a chuva é um ciclo de águas, a chuva decorre da evaporação, ou seja o volume tende a ficar igual, o que torna também impossível, e finalmente, para onde foi esta água toda depois do quadragésimo dia, o que torna também inverossímil o fato. 

Identifiquei apenas alguns importantes fatos que tornam inverossímil o evento do dilúvio. Entendo que se pensasse um pouco mais, talvez me lembrasse de outros “impossibilitadores”. Mesmo que a matemática seja toda aproximada, não perfeita, a margem de erro não muda o valor absurdo de água e nem os problemas de sobrevivência dos seres vivos aquáticos e aéreos, e também da logística dos animais e plantas terrestres.


#ateuracional

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Educação

Recomeçar

Gostamos de exigir

Livre arbítrio