Morrendo

Multidões morrem pela morte do abandono social, da exclusão econômica, e da omissão humana. Eu vivo morrendo para a humanidade, sufocando minha própria humanidade, renegando meu altruísmo e destruindo meu ser, construindo uma cegueira que justifica meu existir, como se nada tivesse a haver com aquilo, como se a impotência por pura preguiça, por medo e por pavor de perder o que tenho, fossem razões lógicas e factuais para me excluir das causas da miséria, da exploração e da exclusão, que assolam populações inteiras.

O apocalipse nunca virá, pois o “inferno” é aqui mesmo, vivemos em um apocalipse eterno, praticamente desde que deixamos de ser nômades e nos fixamos como sociedades. A posse, a vaidade, o poder, e a petulância, criaram ao longo do tempo justificativas, uma após outras, múltiplos deuses, deus único, homem deus, castas, reencarnações, evolução do mais forte, ditaduras, limpezas étnicas, monarquias (reis e afins justificados por deuses) e muitas formas para garantir o poder e justificar os privilégios, vantagens, e direitos, sob o manto místico ou secular, para resguardar os poderosos, e assim ficou muito mais fácil e justificável nos escondermos por traz da falaciosa salvação de algum amanhã, ao invés de um embate transformados no agora, como se melhor hoje fosse para aqueles que sofrem, desde que não sejamos nós, é claro. Como vermes sociais nos agarramos na falsa esperança de que o melhor está guardado para aqueles que sofrem, como uma espécie de prêmio futuro para a graça do sofrimento atual. 

Por detrás disto nos escondemos e justificamos nossa inação, nossa conivência com o atual estado de desumanidade, e finalmente com nossa irresponsável falta de revolta pelo que hoje é, pelo que já foi, e pelo que amanhã será, e principalmente pelo que hoje já está a ser, e pela parte direta de culpa que temos, e hipocritamente ainda agradecemos pelos que sofrem, como se o sofrimento alheio dignificasse a vida. É claro que o que eu penso pelos outros, penso diferente para mim e para os meus, pelos nossos imploramos, rogamos e suplicamos pela fartura, pela bem-aventurança, e pelas vitórias, e tudo pedimos para que nos afaste da morte, mesmo que hipocritamente justifiquemos a morte como um renascer para um mundo melhor.


#ateuracional
#ateuracionalelivrepensar

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Apenas uma teoria? Como muitos podem ser tão ingênuos, doutrinados ou interesseiros

O que somos?

Libertário não significa desordem e nem aceitar as justificativas meramente liberais, não obstante em alguns pontos, meu ideal libertário e alguns princípios liberais se sobreporem