A subjetividade da consciência

Como ser plenamente, se em essência sequer sabemos o que podemos ser? Como realizar todo potencial humano e social que nos envolve e abraça intima e subjetivamente quando particularmente, no íntimo do que somos, o subjetivo de nossa cegueira inconsciente é muito maior do que gostaríamos de aceitar como verdade. Não obstante todo desconhecimento consciente de enorme parte do que processamos mentalmente, cabe-nos viver. É necessário que consigamos nos colocar em movimento, e que a revelia do que não saibamos, busquemos construir nossa humanidade, e em paralelo, sejamos capazes, mais do que entender, sejamos ousados na concretização, dentro de nosso potencial humano, de nosso ente social.

Somos sombra enevoada que nos corta o ente. Subjetivamente somos reais, somos parte real da não menos real realidade do todo. Nossa existência é um fato. Somos uma ambiguidade complexa contrapondo a subjetividade do ser que somos ante a plena característica real da existência do todo e de nós mesmos. Nosso ser emerge entre processos mentais desconhecidos, entre funcionalidades zumbis que para todo o sempre desconheceremos, mas em essência somos e podemos ser, como resultado da profundeza desconhecida do que somos construímos, um mosaico de parte de nós mesmos, que se completam na emergência do que somos, e continuamente nos transformamos na realidade do ser e na manifestação parcial do total inconsciente que nos governa.

Somos, existimos, somos tão reais como o todo universal, mas como entes somos a própria realidade subjetiva da indireta e mediada relação entre o inconsciente pleno e a referência real externa à mente, incluindo aí nosso corpo real, que acaba por permitir sermos, um ser pleno de nós mesmos, real em sua existência, e sem que nos esqueçamos, falível, imperfeito e mortal, contudo somos e sempre seremos muito mais inconscientes do que gostaríamos de admitir, muito mais até do estaríamos dispostos a aceitar, mas assim, felizmente ou infelizmente, somos nós, eternamente cambaleando entre aquela aparente consciência real do que somos e do quanto nos conhecemos a nós mesmos, e a insuperável, insuspeitável e muitas vezes pouco intuitiva realidade de nossa inconsciência, que no segredo introspectivo das profundezas mentais, como um zumbi impenetrável, nos governa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Livre arbítrio

Por derradeiro o nada

Ando nervoso